Confira!



Para uma pessoa que lê ininterruptamente desde os 13 anos, pode-se dizer que eu tenho poucos livros. Muito poucos, aliás, caso eu vá comparar com meus melhores amigos, que compram mais de um livro por mês. Tenho um amigo que é assim. Ele compra tantos! Ano passado, em agosto, eu lhe dei um livro do Nicholas Sparks como presente de aniversário, e ele demorou meses para começar a ler, porque estava lendo os livros que havia comprado antes.
Eu nunca fui assim. Comecei minha coleção de livros aos 14 anos, e só tinha alguns títulos, comprados pelo catálogo da revista Avon, quando sobrava dinheiro. Eu tinha que pedir para minha mãe, falar do quanto aquele livro parecia ser legal, do quanto eu estava interessada, e se o preço estivesse legal, ela comprava para mim.
Mas eu havia começado a ler com grande frequência por volta dos 12 anos, e simplesmente não tinha acesso a livros. Eu não frequentava grupos de leitura, e nem curtia páginas de editoras, nem assistia a vídeos de youtuber's famosos, como faço hoje em dia. Aliás, eu nem tinha Facebook (o Facebook provavelmente não existia ainda)! E YouTube, pra mim, só servia pra ver vídeos engraçados e bonitinhos, eu sequer imaginava que alguém criaria um canal para falar de coisas que as pessoas gostam, e compartilhar informações e opiniões sobre isso! Eu não ia a livrarias, e não comprava livros. Não sabia o que era novidade, lançamento, best-seller. Minha única fonte de contato com livros era nada mais nada menos que a biblioteca da escola pública em que eu estudava.
Isso significa que lá eu encontrava, em sua grande maioria, livros brasileiros mais ou menos contemporâneos, literatura infanto-juvenil, e clássicos da literatura brasileira ou mundial, além de muitos dicionários e enciclopédias. Eu percorria aquele espaço sempre à procura de alguma coisa nova ou diferente que me agradasse. Eu não sabia o que era resenha, e nem pedia indicações para amigos, porque os amigos que eu tinha na época não gostavam de ler. Então tudo o que eu podia fazer era procurar aleatoriamente, até encontrar. Quantas vezes voltei atrasada do recreio porque demorei para pegar algum livro legal!
Essa situação (de frequentar assiduamente bibliotecas escolares) continuou praticamente até o meu terceiro ano do Ensino Médio - que foi no ano passado - com a diferença de que aos 15 anos eu passei a ter amigos que gostavam de ler, e que me emprestavam seus livros; e passei também a adquirir livros com mais frequência, aumentando aos poucos minha parca coleção.
Na minha vida de bibliotecas e de pedir emprestado, eu li tanto! Harry Potter; A Menina Que Roubava Livros; Querido John; O Diário de Anne Frank; Hilda Furacão; a Saga Crepúsculo; a saga Hush Hush; Fallen; Anjos e Demônios; O Código da Vinci; Inferno; Os Pilares da Terra; A Hora da Estrela; Noite na Taverna; O Quinze; O Caçador de Pipas; A Cidade do Sol; O Homem Que Calculava; O Guarani; Zorro; Gabriela, Cravo e Canela; Pollyana; A Moreninha; O Tempo e o Vento; Olhai os Lírios do Campo; O Resto é Silêncio; Cidade de Deus; Negrinha; Jardim Selvagem; Cinzas do Norte; Leite Derramado; Boca do Inferno; Dias e Dias; Cem Anos de Solidão; As Esganadas; O Homem que Matou Getúlio Vargas; Assassinatos na Academia Brasileira de Letras; A Arca dos Marechais; Crônica de Uma Morte Anunciada; O Amor é Um Pássaro Vermelho; a série Poderosa; O Jardim Secreto; Luna Clara e Apolo Onze; Marley e Eu; O Pequeno Príncipe; Soul Love; Slam; Doze Horas de Terror; A Sombra do Vento... Tantos! E podem ter certeza de que eu não citei nem a metade deles!
É claro que hoje em dia minha coleção está muito maior do que eu imaginava naquela época dos catálogos da Avon, mas quando paro e penso naqueles livros que eu li e que mais gostei, que me fizeram rir mais, que me chocaram muito ou abriram meus olhos para certas situações, eu me dou conta de uma coisa interessante, chata, e ao mesmo tempo triste: eu não tenho os meus livros preferidos. Na época em que os li, eu não me importava de estar pegando um empréstimo numa biblioteca ou com um amigo, mas hoje eu sinto falta deles pelo fato de não poder lê-los outra vez, a não ser que os compre, um por um.
Harry Potter é o maior exemplo disso: eu sou mais do que fã! Li os livros entre meus 13 e 14 anos, e vi todos os filmes ao longo do meu próprio crescimento, chegando a assistir ao último no cinema. Morro de vontade de ler tudo de novo, mas acabo sempre adiando o projeto, seja porque pretendo ler outros livros, seja por causa dos preços dos livros da série (que vamos falar sério, não são baratos!).
Até mesmo As Crônicas de Gelo e Fogo, que eu simplesmente adoro, peguei emprestado com uma amiga, e na edição econômica, o que me deixa afobada e preocupada: tenho que cuidar dos livros como se fossem meus, para poder devolvê-los de forma conservada, e me esforço muito para isso!
Dessa forma, quando me lembro das boas histórias que já li, só me resta uma nostalgia, uma saudade das coisas boas que conheci entre prateleiras empenadas e empoeiradas de bibliotecas, que eu tanto adorei, e que queria muito ter para poder ler de novo, e de novo e de novo.

6 Comentários

  1. Acho que faz parte da vida essa de pegar livros emprestados de biblioteca e de amigos. Eu mesma comecei assim. Se não fosse um livro que sequer lembro o nome na terceira série que achei perdido na biblioteca da escola eu não seria a leitora de hoje. Por muito tempo não tive amigos que gostassem de ler, e agradeço muito a minha mãe por sempre me incentivar a ler. Só bem recentemente ela me nega livros, porque minha situação não está das melhores. Harry potter eu também peguei emprestado, e acabei ganhando a série de aniversário de duas amigas! Alguns estão no plástico. Outros, eu comprei em viagens. Minha cidade era pequena e por muito tempo não tinha livraria. Depois abriu uma, pequena e cara. Passei muitas tardes por lá. Eu já comprei livros na revista da Avon, mas o submarino com suas promoções é que lotou a minha estante. Eu tinha que esperar sair frete grátis, acima de 100 reais. Então eu juntava todos os que eu queria para pedir de uma vez. É triste que livros sejam tão caros... Mas você é nova ainda, vai trabalhar bastante para aumentar sua coleção. E é sempre legal trocar com os amigos. Ultimamente eu estou juntando dinheiro para comprar o Retrato de Dorian Grey, que li emprestado de uma amiga, e é um dos meus preferidos. Quero uma edição bem lindona, já que na minha prateleira praticamente só tem as edições econômicas ou de bolso da Martin Claret. Para mim, o que importa é o conteúdo, e livros baratos significam mais livros. É aos poucos mesmo que se monta uma estante. Em 14 anos de coleção não tenho 180 ainda. Uma boa forma é frequentar sebos, lá você encontra boas pérolas baratinhos. E feira do livro também, eu sempre descubro coisas novas a 5 ou 10 reais.
    Ah, você disse gostar de resenhas... Passa lá no meu blog também para dar uma conferida! http://virtualcheckin.blogspot.com quem sabe você encontra alguma indicação de livros que não leu ainda, e de quebra ajuda uma principiante! Beijos, boa sorte com a estante!

    ResponderExcluir
  2. Uau, Lívia! Esse com certeza foi o maior comentário que já recebi aqui no blog, e faço questão de responder! Legal encontrar alguém que me entende. Por sorte, eu vivo numa cidade grande, com várias livrarias e sebos (que também são caros, mas é melhor do que nada). A única coisa que eu acho ruim em relação a isso é que aqui em Goiânia quase não acontecem eventos literários. Somente o sarau "Sábado no Parque" me salva, e acontece uma vez por mês em parques públicos da cidade, com muita música poesia, e livros baratos à venda. Aí eu faço a festa! kkkk
    Acho que minha coleção nem chega a 180, mas eu quero ampliá-la.
    Quanto a "O Retrato de Dorian Gray", eu também estou louca pra ler! Recomendo que você procure pela versão da Editora Biblioteca Azul, uma edição grande e em capa dura. É bem cara, mas vi uma resenha sobre ele, e soube que é uma das poucas versões não-censuradas, além de ter várias notas de rodapé explicativas. Minha grande batalha será para comprar esse livro e também "Os Miseráveis", na versão da Editora Cosac Naify em 2 volumes. Estou indo agora conhecer seu blog, e caso queira, visite o link que vou deixar abaixo (é para ver a edição do Retrato de Dorian Gray que eu falei):

    http://www.submarino.com.br/produto/113916496/livro-o-retrato-de-dorian-gray

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau, vai ser essa então! Aqui na minha cidade consigo livros por uns 10 reais no máximo no sebo. A feira do livro às vezes vem no shopping ou eu encontro quando vou para a rodoviária de São Paulo e Campinas. Também tem um evento do Rotary que distribui os livros gratuitamente no parque da cidade, mas só tive a sorte de encontrar uma vez :/ obrigada pelos comentários no meu blog, me deixou muito feliz vê-los e lê-los. Boa sorte com o blog, sucesso porque você tem talento! Beijos!

      Excluir
    2. Muito obrigada, Lívia! Te desejo sorte ampliando a coleção, e sucesso no seu blog também. Vejo que começou há pouco tempo, e espero que melhore cada vez mais! Também fiquei muito feliz com suas visitas e comentários.

      Excluir
  3. Tenho tantos livros legais que ganho de amigos e amigas que são escritores, que acabo me perdendo... A pouco tempo conheci uma técnica que se chama Pomodoro, que me tem me auxiliado muito, no momento estou lendo: Jesus o homem mais sábio que já existiu. Mas já faz um ano que estou indo e voltando, pois é uma linha de raciocínio que se pode aplicar na vida real.

    Parabéns pelo Blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gilson! Não conheço essa técnica, mais vou pesquisar sobre ela, talvez me ajude a conciliar o blog e o canal com as obrigações da faculdade, que vai retornar da greve na semana que vem.
      Também não conheço o livro que você citou, mas espero que a leitura seja proveitosa.
      Obrigada pela visita, pelo comentário e pelo elogio! Os leitores ajudam muito!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Entre em contato conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Veja quem me segue:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...