Confira!

Resenha: O Poderoso Chefão
"Publicada em 1969, a saga O poderoso chefão é, ainda hoje, a mais perfeita reconstituição das famílias mafiosas de Nova York. O carismático Don Vito Corleone é o chefão de uma delas. Apesar de implacável, Don Vito é, essencialmente, um homem justo. Padrinho benevolente, nada recusa a seus afilhados: conselho, dinheiro, vingança e até mesmo o assassinato de alguém. Em troca, o poderoso chefão pede apenas o respeito e a amizade de seus protegidos. Mas ninguém pode vencer as trapaças da idade. Quando todos os seus inimigos resolvem atacar, e seu bem mais precioso, a família, estiver por um fio, o velho Corleone terá de escolher, entre seus filhos, um sucessor à altura. Mario Puzo constrói, de maneira hábil, um mundo de intrigas, decisões cruéis e honra, num legado de tradição de sangue.


Autor: Mario Puzo
Gênero: Drama
Número de páginas: 462
Local e data de publicação: Rio de Janeiro, 2015
Tradução: Carlos Neyfeld 
Editora: Record
*Onde comprar: Amazon | Americanas | Cultura | Saraiva | Travessa

Disputas sangrentas por poder


Existem alguns livros e filmes que por algum motivo, quando descobrimos que alguém nunca leu ou assistiu, perguntamos imediatamente: "Como você ainda não leu/assistiu?". Pois bem. Em relação a O Poderoso Chefão, eu sou a pessoa que aos dezenove anos ainda não tinha lido e nem assistido. Talvez a fama dos filmes ofusque um pouco o livro, tanto é que eu só soube da existência dele depois de assistir à resenha da Isabela Lubrano do Ler Antes de Morrer, e então minha curiosidade foi desperta. Comprei o livro assim que terminei de ver o vídeo, coisa que não faço com frequência. E, o mais impressionante: eu devorei quase quinhentas páginas em seis dias.
O livro acompanha ao longo de vários anos, a partir de 1945, a saga da família Corleone e da transição do cargo de Don desta Família, que Vito Corleone precisa passar para um de seus filhos. Os Corleone integram a Máfia Siciliana que domina a cidade de Nova Iorque junto a outras Famílias também de origem italiana e que disputam o poder político e econômico nesta e em outras cidades dos Estados Unidos.
Embora seja o líder da mais poderosa dessas Famílias, Don Vito Corleone sabe que há uma ameaça que ele não pode deter: a própria morte. Por isso, ele precisa escolher entre seus filhos Sonny, Frederico e Michael aquele que irá sucedê-lo no comando de seus negócios e de seus homens. Mas não é assim tão simples passar todo esse poder a um "herdeiro". Um Don precisa honrar e proteger sua família e seus afilhados, as pessoas a quem dá apoio; precisa ter cautela nos negócios, e nunca revelar o que realmente está pensando; precisa demonstrar autoridade e firmeza perante seus homens, senão não terá o respeito deles; mas precisa também ser justo e sábio.
Mas assim que os Corleone deixam transparecer uma fraqueza, seus inimigos vão se aproveitar para tentar tomar seu poder duramente conquistado e mantido ao longo dos anos. É então que os Corleone vão iniciar uma guerra sangrenta e extremamente violenta contra aqueles que ameaçam a Família e seus protegidos.
Este livro, escrito em 1969, é acima de tudo um grande retrato sobre a fragilidade da confiança que as pessoas têm nas instituições da sociedade. Sem a proteção necessária das autoridades, as pessoas recorrem a Don Vito Corleone para pedir favores, desde dinheiro emprestado até a punição para criminosos que não foram realmente condenados de forma legal. E, como um ciclo, a Máfia mantém seu poder porque a polícia, o funcionalismo público e outras instituições são corruptos. É um livro sobre violência, disputas por poder, contradições da sociedade e diferentes concepções de valores morais como a justiça.

Imagem compartilhada no meu Instagram durante a leitura.
Visite @lethyd ou @loucuraporleituras e acompanhe!
"Por isso, o próprio Don Corleone não estava zangado.
Aprendera havia muito tempo que a sociedade impõe afrontas que devem ser suportadas,
confortadas pelo conhecimento de que neste mundo chega o momento
em que o mais humilde dos homens, se conservar os olhos abertos,
pode vingar-se do mais poderoso."
Página 17

Narrado em terceira pessoa a partir dos pontos de vista de vários personagens, o livro é dividido em 9 partes, cada qual marcada pelos seus capítulos. Não é uma narrativa necessariamente cronológica ou linear, visto que existem diversas passagens de tempo, e que os acontecimentos não são contados estritamente na ordem. Há momentos em que primeiro os personagens ficam sabendo que certa coisa aconteceu, e que no capítulo seguinte é que o leitor tem todos os detalhes do fato, como às vezes é feito em roteiros de filmes. Esses "cortes" contribuem para o efeito dramático e nos levam a continuar lendo.
Os capítulos variam bastante de tamanho, e podem ir desde os bem pequenos até os muito longos. Quanto às partes que dividem a história, existe certa organização que justifica a importância da separação de tais "pedaços" da história. Em uma delas, por exemplo, conhecemos o passado de Vito Corleone, desde que ele partiu de uma pequena aldeia na Sicília para os Estados Unidos, relatando como ele se tornou um Don e adquiriu todo o respeito e prestígio que possui no tempo presente.
O livro é marcado por picos de ação e de "calmaria". De início, entendemos bem o que é o respeito que as pessoas tinham por um líder mafioso, e logo identificamos a famosa cena do filme em que Don Corleone se queixa do homem que lhe pede um favor sem lhe mostrar o devido respeito. Até eu, que não havia assistido aos filmes, conhecia essa cena, e assim que terminei de ler o livro me programei para maratonar os filmes. Logo após isso, os momentos de ação prosseguem enquanto Don Corleone atende a um pedido de seu afilhado Johnny Fontane. Em seguida, o ritmo rápido é quebrado, e o livro se torna meio arrastado. Isso acontece sempre entre um e outro pico de ação.
Além do foco nas disputas entre as Famílias da Máfia e a transferência do cargo de Don da Família Corleone, outros núcleos de personagens têm destaque, e estes também têm construção relativamente boa, embora eu acredite que o mais bem construído deles é Michael Corleone. Entre esses núcleos de personagens que fazem parte do círculo de afilhados dos Corleone, estão: Jhonny Fontane, um cantor e ator de Hollywood; Nino Valenti, amigo e antigo parceiro de Fontane; Lucy Mancini, madrinha de casamento de Connie Corleone; e Jules Segal, médico protegido pela Família. A existência desses núcleos nos dão uma outra dimensão da história, e nos levam a compreender a ambiguidade das atitudes dos homens da Máfia: são homens violentos e criminosos, mas fazem coisas boas para quem tem respeito por eles e lhes pede ajuda.
Minha única crítica em relação a esses personagens foi quanto à historia de Nino Valenti. Ele aparenta estar em depressão, e corre grande risco de morrer devido ao consumo excessivo de bebida; mas ele simplesmente não se importa; só quer beber até morrer. Pelo menos, é isso que seus amigos acreditam, porque em nenhum momento nós temos uma visão dele sobre como ele se sente em relação à sua vida. Existe sim um capítulo com o ponto de vista dele, mas é muito breve e não está ligado a esse problema que ele enfrenta. Eu acredito que o personagem seria melhor construído se nós pudéssemos conhecer os pensamentos e sentimentos dele em relação a esse problema. Isso poderia até mesmo contribuir para a dramaticidade da história, e poderia tirar um pouco a impressão de que Jhonny, Nino, Lucy e Jules são só pessoas vivendo a vida boa num hotel e cassino em Las Vegas.
O livro também tem como aspecto negativo alguns erros de escrita ocasionais, além da constante mistura de idiomas ao citar o nome da cidade "Nova York". Esse nome próprio é uma locução, são duas palavras com a função de uma só, e o certo seria manter as duas em inglês (New York) ou traduzir as duas (Nova Iorque).
Fora isso, é um livro muito bem escrito, com personagens surpreendentes e enredo incrível, que está muito bem-feito nessa edição de luxo da Editora Record. A capa é dura e a fonte do título é a mesma usada na capa dos filmes, com letras douradas brilhantes. As páginas são amareladas e relativamente grossas, e o tamanho da fonte no texto como um todo é ideal, sem incomodar quem tem problemas de vista.
Eu recomendo o livro para quem admira os filmes, para quem gosta de histórias com bastante ação e que estejam ligadas a crimes e violência. E também para quem, assim como eu, tem curiosidade com coisas novas.

Avaliação geral:

Onde comprar:

Aspectos positivos: os personagens são bem construídos e têm bom desenvolvimento, em especial Michael Corleone; os "cortes" da narrativa contribuem para a dramaticidade da história; a estrutura de poder da Máfia e seu caráter ambíguo são bem retratados.
Aspectos negativos: apresenta erros ocasionais; mescla o Inglês e o Português ao citar o nome da cidade de Nova Iorque; o personagem Nino Valenti deveria ter mais pontos de vista próprios a fim de que seus sentimentos e pensamentos ficassem mais compreensíveis ao leitor.

Por: Lethycia Dias

2 Comentários

  1. Caramba, que senhora resenha!! É exatamente esse o que eu li, é um tomo único, porém dividido. Confesso que li a resenha com aquela musiquinha do filme na cabeça. As cenas foram passando, e deu até vontade de comer o macarrão da senhora Corleone quando ela adota um dos meninos. Com suco de tomate!!Aquela cena é icônica, a do respeito! Quero reler este livro, mas preciso que me devolvam... Ah, você está ficando cada dia mais exigente!! Nunca tinha me tocado a respeito do Nova York. Essa edição está de babar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É engraçado que esse livro parece ter sido escrito pra ser adaptado pro cinema! Eu até pesquisei um pouquinho sobre o Mario Puzo, pra saber se ele tinha escrito outros roteiros de cinema antes da adaptação do GodFather, mas parece que esse foi o primeiro... Tem algumas passagens que parecem cena de filme! Quando o Michael mata o capitão McClusky e o Solozzo, eu imaginei tudo como se fosse uma cena em câmera lenta, achei impressionante. Incrível como algumas pessoas conseguem unir dois talentos igual o Puzo fez com o livro e os roteiros dos filmes.
      A edição é maravilhosa mesmo. Quando fui comprar, vi várias edições, mas achei essa tão bonita! E basta o livro ser em capa dura pra me ganhar.
      Menina, se você quer ver exigência, então sugiro que dê uma lida na minha resenha de amanhã...

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Entre em contato conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Veja quem me segue:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...