Confira!



Para mais um post da Sessão 10, separei dessa vez 10 poemas do estilo romântico. Para que não restem dúvidas a respeito deste movimento literário, vou esclarecer primeiro as principais características do Romantismo.
Trata-se de um movimento típico da burguesia do Século XIX, durando quase cinquenta anos no Brasil (1836 a 1880), e foi resultado de transformações da sociedade que ocorreram no século anterior, como a Revolução Industrial e a Revolução Francesa, que trouxeram novos ideais aos jovens. No Brasil, algumas mudanças também ocorriam: a chegada da Família Real Portuguesa (1808) e a Independência do Brasil (1822). Esta última trouxe um grande sentimento de nacionalismo, levando os artistas da época a buscarem por um estilo que pudesse afirmar a identidade brasileira, valorizando as raízes históricas do país, bem como suas tradições e costumes. Com isto, temos a valorização da figura do índio como herói nacional, como em O Guarani, de José de Alencar.
São estas algumas das características gerais do Romantismo:

  • A ligação com a natureza;
  • A religiosidade;
  • A idealização do amor;
  • Melancolia e pessimismo;
  • Escapismo como fuga da realidade;
  • Liberdade de criação;
  • Amor pela pátria.
Os românticos expressavam em suas obras, principalmente na poesia, a subjetividade, o individualismo e os conflitos emocionais. É comum observar, em alguns casos, o tédio e o desinteresse com a sociedade, o sofrimento por não se julgar bom o bastante para merecer a mulher amada, vista como "inalcançável".

Tendo esclarecido estes pontos, posso partir agora para minha seleção de 10 poemas do Romantismo. Explicarei algumas das razões que me levaram a escolhê-los, e em seguida farei a citação de um trecho de cada um deles.

1- Canção do Exílio - Gonçalves Dias
Todos conhecem os famosos versos "Minha terra tem palmeiras/ onde canta o sabiá", e é justamente pelo fato de valorizarem as belezas naturais brasileiras que a Canção do Exílio se tornou tão popular, dando origem a muitos outros poemas homônimos. Gonçalves Dias  viveu por muito tempo na Europa, e foi lá onde publicou o famoso poema. Eu o admiro por sentir falta, na literatura moderna, desse amor pelo Brasil.

"Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar - sozinho, à noite -
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá"

2- Olhos Verdes - Gonçalves Dias
É impossível não se comover com a paixão do eu-lírico pela moça dos olhos verdes, cujo nome não é revelado. O poema, inclusive, serviu como base para a criação de uma releitura da vida do poeta, no romance Dias e Dias, de Ana Miranda, que já foi indicado neste blog num post anterior.

"Dizei vós, ó amigos,
Se vos perguntam por mi,
Que eu vivo só da lembrança
De uns olhos cor de esperança,
De uns olhos verdes que vi!
Que ai de mi!
Nem já sei qual fiquei sendo
Depois que os vi!"

3- Temor - Junqueira Freie
Uma atmosfera triste e sombria é trazida ao leitor neste poema, em que o eu-lírico não pode proteger sua amada de um mal que se aproxima. É bem característico do chamado "Mal do Século".

"Deitemo-nos aqui. Abre-me os braços.
Escondamo-nos um no seio do outro.
Não há de assim nos avistar a morte,
Ou morreremos juntos."

4- Adormecida - Castro Alves
Aqui, o eu-lírico observa sua amada durante o sono, em contemplação. A interação com a natureza é representada pelo perfume e pelo galho do jasmineiro que entram pela janela.

"Era um quadro celeste!... A cada afago
Mesmo em sonhos a moça estremecia...
Quando ela serenava... A flor beijava-a...
Quando ela ia beijar-lhe... A flor fugia..."

5- Um Cadáver de Poeta - Álvares de Azevedo
A atmosfera sombria é trazida à tona na segunda parte de sua obra Lira dos Vinte Anos, publicada postumamente com os poemas escritos pelo jovem que morreu deixando inúmeras páginas com versos. Aqui estão a angústia, o desalento, a agonia dos poetas da Segunda Geração do Romantismo.

"De tanta inspiração e tanta vida
Que os nervos convulsivos inflamava
E ardia sem conforto...
O que resta? Uma sombra esvaecida,
Um triste que sem mãe agonizava...
Resta um poeta morto!"

6- Amor e Medo - Casimiro de Abreu
De volta aos conflitos amorosos, à mulher inatingível, idealizada como um anjo de pureza, temos tudo isso em Amor e Medo, que é uma verdadeira confissão dos mais íntimos desejos do eu-lírico, que ama, porém em excesso, que teme aproximar-se dessa mulher e findar sua inocência, que se culpa por desejá-la, e prefere, por isso, manter-se afastado.

"Oh! Não me chame coração de gelo!
Bem vês: traí-me no fatal segredo.
Se de ti fujo é que te adoro e muito,
És bela - eu moço; tens amor, eu - medo!..."

7- Morte - Junqueira Feire
O desejo de morte - visto para os românticos como única solução para os males e sofrimentos trazidos como consequência de se estar vivo é aqui expressado com tranquilidade, visto que a extinção da vida é encarada como algo natural, e talvez até mesmo bom.

"Por isso, ó morte, eu amo-te, e não temo:
Por isso, ó morte, eu quero-te comigo.
Leva-e à região de paz horrenda,
Leva-me ao nada, leva-me contigo."

8- Soneto (Já da morte o calor me cobre o rosto) - Álvares de Azevedo
Outra vez a morte encarada como algo natural, como o fim das dores e angústias. Aqui, porém, ainda resta um pouco da esperança de merecer, pelo menos no momento da morte, a atenção da mulher que se ama!

"Dá-me a esperança com que o ser mantive!
Volve ao amante os olhos por piedade,
Olhos por quem viveu que já não vive!"

9- Durante Um Temporal - Castro Alves
Neste poema, estão presentes a sensualidade e o desejo, trazidos à tona pela forte chuva relatada nos versos.

"Do relâmpago a luz rasga até o fundo
Os abismos intérminos do ar...
Eu sonho o firmamento de tua alma,
À luz de teu olhar..."

10- Soneto (Pálida à luz da lâmpada sombria) - Álvares de Azevedo
Mais uma vez o eu-lírico observa sua amada dormindo, revelando seus sonhos, seus desejos, somente pelo fato de que ela não pode ouvi-lo. Declarando-se por impulso, ele afirma que seria até mesmo capaz de morrer por ela!

"Não te rias de mim, meu anjo lindo!
Por ti - as noites eu velei chorando,
Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!"

Os poemas transcritos acima para esta seleção foram retirados dos livros "Poesia Brasileira - Romantismo" e "Lira dos Vinte Anos". São alguns dos poemas românticos de que mais gosto, e minha intenção era compartilhá-los com os leitores.

Por: Lethycia Dias

Deixe um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Entre em contato conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Veja quem me segue:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...