Confira!

Como uma das propostas deste blog é divulgar e apoiar a literatura nacional, decidi reunir hoje na Sessão 10 uma listinha especial com dez títulos nacionais que li com muito prazer e que recomendo a todos. São muitos livros escritos por brasileiros de que gostei (acredito que a nossa literatura é muito boa e que merece mais reconhecimento), mas para obedecer à regra da Sessão 10, tinha um número limitado de escolhas. É hora de começar:

1- A Arca dos Marechais - Marcos Rey



Creio que o me chamou a atenção neste livro tenha sido o conflito que o personagem principal cria para si mesmo ao falsificar dinheiro com uma máquina herdada de seu tio. Cansado da vida tediosa que levava, Emerich produz notas de cinco mil cruzeiros (chamadas de "Marechais" porque estampavam o rosto do Marechal Castelo Branco) e as armazena numa imensa arca. Passa então a levar uma vida luxuosa, do hotel em hotel, cidade em cidade, fingindo ser outra pessoa, representando papeis, com nomes falsos e mudanças em sua aparência, numa tentativa de esconder quem era e de ocultar os rastros de seu crime. A farsa torna-se séria a ponto de Emerich ter dúvidas de quem realmente é: um simples funcionário de um aquário público, ou os personagens que criou para que pudesse viver sua nova vida.




2- Hilda Furacão - Roberto Drummond


 A trama que foi adaptada para a televisão e exibida em forma de minissérie em 1998 foi primeiro um livro, escrito por Roberto Drummond, sendo sua obra mais famosa. Narrada pelo jovem jornalista Roberto - o próprio autor - a história mistura personagens reais e fictícios na Belo Horizonte de 1964 em torno de da bela Hilda, moça de família abastada que encantava os homens no tradicional Minas Tênis Clube, e que de repente, sem nenhuma explicação, torna-se prostituta no quarto 304 do Grande Hotel, fazendo sucesso na vida boêmia. Roberto tem à sua frente o grande mistério sem solução: por que motivo Hilda teria largado seu maiô dourado para receber clientes no Grande Hotel? Ao mesmo tempo, seus dois melhores amigos, Malthus, o Santo, e Aramel, o Belo, também têm seus destinos cruzados com a ex-Garota do Maiô Dourado. A narrativa é divertida e ao mesmo tempo eletrizante, e o leitor se vê preso às páginas pelos muitos questionamentos que surgem ao longo da trama.




3- Olhai Os Lírios do Campo - Erico Verissimo

 De volta aos conflitos íntimos, Erico Verissimo nos traz com muita sensibilidade e sutileza, em Olha Os Lírios do Campo, a desilusão e a tristeza de Eugênio, que durante a juventude ambicionava tornar-se médico pelo status que a profissão poderia lhe trazer. Embora estivesse apaixonado por sua colega de faculdade Olívia, que não lhe exige nenhum compromisso, casa-se com uma mulher rica, insatisfeito em apenas ter se tornado médico. Três anos depois, Eugênio se vê numa séria crise existencial: ainda ama Olívia, não tem nenhum sentimento por sua esposa e não tem o prestígio social que sempre desejara, sendo conhecido apenas como "o genro do Sintra". Alternando entre momentos no passado e no presente, esta linda história está repleta de reflexões dos mais variados temas, como a ascensão social do personagem, os desafios enfrentados por um médio em sua profissão e os desencontros amorosos.



4- Memorial de Maria Moura - Rachel de Queiroz

A nordestina Rachel de Queiroz, primeira mulher a ocupar uma cadeira da Academia Brasileira de Letras, nos dá um show de literatura regional em Memorial de Maria Moura, a partir do ponto de vista de três personagens, contando a trajetória de Maria Moura, uma filha de fazendeiro que vê o padrasto assassinar sua mãe, desejoso de receber em herança as terras que pertenciam ao seu pai. Para defender o que é seu, ela mesma o mata. E para esquivar-se de seus primos na briga pela herança que se inicia em seguida, a corajosa Maria Moura desbrava o sertão nordestino do tempo colonial reunindo homens, armas e dinheiro em terras roubadas, onde seu povo vive sob suas leis. A linguagem característica nordestina é muito original tanto na narração quanto nos diálogos. A trama é repleta de perigos, reviravoltas e armadilhas, onde os personagens, movidos por ambição, medo e desejo de poder ou vingança, podem a qualquer momento trair uns aos outros, em troca de uma situação que pareça mais vantajosa.


5- O Homem Nu - Fernando Sabino


 O Homem Nu reúne diversos contos e crônicas escritos com muito humor e criatividade por Fernando Sabino. Foi para mim uma leitura leve e rápida, repleta de risadas. Seus personagens são às vezes colocados em situações inusitadas e absurdas como no caso do conto que dá título ao livro, em que um homem, completamente nu, se vê trancado do lado de fora de seu apartamento, tendo apenas um saco de pão para se cobrir. 






6- Veronika Decide Morrer - Paulo Coelho


Foi o primeiro livro que Paulo Coelho que eu li, e tenho muito a dizer sobre ele. A leitura me surpreendeu muito, principalmente por ter sido escrita a partir das próprias experiências do autor em um hospício, como Coelho nos relata  no fim de sua história. Outra surpresa foi a ideia de colocar-se na própria história, ao longo de um capítulo, em que Paulo Coelho conversa com uma amiga, também chamada Veronika, sobre a Veronika fictícia, que por não ver mais nenhum sentido em sua vida, decidi matar-se tomando doses excessivas de remédio. Ela é socorrida a tempo e acorda em Villete, um hospício do qual ninguém nunca conseguiu fugir, mas ao invés de receber a segunda chance que nós leitores esperamos, recebe a terrível notícia de que sua tentativa de suicídio comprometeu seu coração, e que embora tenha sobrevivido, só poderá viver por mais alguns dias. Durante este tempo, ela descobre coisas incríveis sobre as pessoas e sobre si mesma, porque, para fazer uma citação, "todos nós, de um jeito ou de outro, somos loucos".



7 - Incidente Em Antares - Erico Verissimo


Outra impressionante obra de Erico Verissimo entra nesta lista. Com muita genialidade e ironia, o autor gaúcho relata em Incidente Em Antares a revolta de sete cadáveres por não terem sido enterrados em razão da greve geral na cidade fictícia de Antares, na qual até os coveiros recusam-se a trabalhar, em solidariedade aos operários das fábricas da cidade. Os mortos levantam-se de seus caixões e voltam à cidade, para importunar seus familiares. Neste romance maravilhoso, Verissimo apresenta mais um pouco daquilo que podemos observar de melhor em sua obra: os conflitos entre classes sociais, a mesquinhez das pessoas, a hipocrisia e leviandade das relações humanas. São vários os personagens que relatam o acontecimento, como o jornalista Lucas Faia, o padre Geminiano, e o professor Martim Francisco Terra, que tem parentesco com a família Terra da saga O Tempo E O Vento, numa surpreendente intertextualidade.



8- Dias e Dias - Ana Miranda


Em Dias e Dias, Ana Miranda retrata o cotidiano do interior do Brasil durante o século XIX, ao mesmo tempo em que faz uma releitura da vida do poeta Gonçalves Dias, maior símbolo do Romantismo Brasileiro e autor do famoso poema Canção do Exílio. A protagonista Feliciana, apaixonada desde sua juventude por Antonio, o célebre poeta que parte da pequena cidade, entra contato com a vida íntima de seu amado através das cartas que ele escreve para seu amigo Alexandre Teófilo e Carvalho Leal, que são mostradas a Feliciana por Maria Luiza, esposa de Teófilo. Com muita sensibilidade, a trama nos coloca dentro do mundo de Feliciana, uma mulher simples, que por toda a vida tem sua paixão alimentada através da leitura das cartas. Para quem admira a poesia brasileira, é uma ótima forma de se aproximar mais da vida de um dos nossos mais famosos poetas.



9 - As Esganadas - Jô Soares


Ambientada no Rio de Janeiro do fim da década de 30, esta impressionante obra de Jô Soares nos traz uma trama maravilhosa, com personagens inusitados, como um ex-inspetor português, saído de um poema de Fernando Pessoa, acompanhado de um delegado sempre mal-humorado e seu auxiliar medroso, além de uma bela jornalista, que juntos investigarão uma série de brutais assassinatos em que a única relação entre as vítimas é o fato de serem gordas. Diferente de outros romances policiais, em As Esganadas o criminoso é revelado logo no início: um homem assustador e muito esperto, que odeia sua mãe e odeia mais ainda mulheres gordas. Entre muitas cenas divertidas e arrepiantes, parece ser impossível que a polícia pegue o assassino, que tem uma rara característica que o torna "invisível" aos métodos científicos de identificação. De forma irônica, entre muitas trapalhadas e deliciosas receitas da culinária portuguesa, Jô Soares criou uma história imperdível.



10 - Para Viver Um Grande Amor - Vinícius de Moraes


 Encerro esta seleção com Para Viver Um Grande Amor, uma bela seleção de crônicas e poemas do Poetinha, que até hoje me encantam. Ora românticas, ora trágicas, suas crônicas são todas tocantes, e algumas revelam segredos profundamente tristes, como em O Dia do Meu Pai, que foi para mim o ponto alto da leitura. Seus poemas trazem, é claro, todo o encanto e a simplicidade de Vinicius de Moraes que conhecemos de longe. Recomendo sua leitura a todos que admiram  Vinicius, e ainda aos que gostam de poesia ou que se consideram bons leitores de crônicas.






Existem, é claro, muitos outros livros que eu poderia ter incluído numa lista como essa. A escolha foi difícil, devido à grande quantidade de títulos brasileiros que considero admiráveis, Mas estes são os que, no fim, se mostraram mais relevantes para mim, e que espero que venham a agradar e muitas outras pessoas.

Por: Lethycia Dias

Deixe um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Entre em contato conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Veja quem me segue:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...