Confira!

Estou em falta com os posts das Dicas de Português e Escrita há muito tempo, e foi por isso que dessa vez fiz um esforcinho para preparar um post dessa sessão incrível que atrai sempre mais leitores para o blog!



Há alguns meses, eu escrevi para vocês sobre as diversas funções da palavra que, uma das mais utilizadas no nosso idioma. Visitando o post linkado, você vai descobrir o quando o que é importante na Língua Portuguesa, mas hoje nós vamos falar sobre situações nas quais ele pode (ou deve) ser dispensado, a fim de melhorar qualidade e sonoridade do texto.
Como vimos no post citado acima, uma das funções desta pequena palavra é a de pronome relativo. Isto significa que em alguns momentos ele desempenha a função da palavra que é colocada para evitar a repetição de um elemento já presente na frase. Vou explicar melhor como isso funciona!

Observe a frase As roupas que me deram são de um gosto duvidoso, e perceba a presença do que.
Essa frase na verdade é o resultado da junção de duas outras. Nós não percebemos, porque já fazemos isso automaticamente, mas se os pronomes relativos não existissem, ela seria assim:

Me deram roupas. As roupas são de um gosto duvidoso.

Percebeu como a frase se torna muito mais prática ao usarmos um pronome relativo para transmitir duas informações em um período só? Até a leitura se torna mais fácil! Pois bem. Essa é a função do que como pronome relativo.


Há casos, entretanto, nos quais a palavra que, como pronome relativo, não é necessária e deve ser cortada da frase! Seu uso excessivo pode prejudicar a coesão de um texto, conforme observamos no parágrafo abaixo:
"A disponibilidade é requisito primeiro para que o trabalho ocorra. Esta é atitude que se espera na relação aluno-professor. O primeiro, disposto à ação, que é o aprendizado, a partir dos estímulos que recebe. E das críticas também. O outro, atento a observar o que individualiza seu aluno, o que caracteriza: seus modos e linguagem. Sem que isso ocorra, nota-se que é impossível instaurar ou prosseguir o processo, pois esse método de ensino só é possível quando particularizada a relação aluno-professor."

Percebeu como o texto está repetitivo e difícil de ler? Só existe uma frase que pode descrever um texto assim:




É claro que nem todas as ocorrências da palavra que neste parágrafo são de pronomes relativos. Entretanto, é possível substituí-lo por outras palavras. Veja o mesmo texto editado:
"A disponibilidade é requisito primeiro para que o trabalho ocorra. Esta é a atitude esperada na relação aluno-professor. O primeiro, disposto à ação, ao aprendizado, a partir dos estímulos recebidos. E das críticas também. O outro, atento a observar a individualidade de seu aluno, suas características: seus modos e linguagem. Sem que isso ocorra, nota-se a impossibilidade de instaurar ou prosseguir o processo, pois este método de ensino só é possível quando particularizada a relação aluno-professor."

Notou a diferença? Vamos ver agora algumas formas bem fáceis de eliminar o excesso de ques no texto!

Reduza o número de "ques" do seu texto!


Seguem abaixo quatro formas bem práticas de não abusar dessa palavrinha tão repetida aqui no post de hoje! Mas é importante que você se lembre de uma coisa: isto não significa que você precisa parar de usar a palavra que, pois ela é uma das mais importantes no nosso idioma, e desempenha diversas funções. Existem casos em que você deve evitar o exagero, mas há momentos em que é impossível não usá-la! (Observe quantas vezes eu a usei apenas nesse post).

1- Substitua a oração adjetiva por substantivos seguidos de complementos:
O jornalista que redigiu a reportagem sobre as eleições presidenciais foi bastante tendencioso.
O jornalista, autor da reportagem sobre as eleições presidenciais, foi bastante tendencioso.

2- Substitua por adjetivos:
Trata-se de um político que não é honesto.
Trata-se de um político desonesto.

3- Substitua a oração desenvolvida por uma oração reduzida de gerúndio:
Publicou-se um relatório que denuncia a corrupção no governo. (desenvolvida)
Publicou-se um relatório denunciando a corrupção no governo. (reduzida).

4- Substitua a oração desenvolvida por uma oração reduzida de particípio:
Soube-se da corrupção no governo através de uma reportagem que foi publicada pelo jornal.
Soube-se da corrupção no governo através de uma reportagem publicada pelo jornal.

Viu como foi fácil? Essas dicas foram super práticas, e com isso você pode reduzir frases, além de tornar sua escrita mais dinâmica e de melhor compreensão. E se por acaso a Sandra Annenberg falasse que assim é muito melhor, o Evaristo Costa não pensaria duas vezes antes de concordar. Esse post seria digno de um selo!


Então, se você conhece alguém que ainda usa você-sabe-qual-palavra o tempo todo, depois de ter lido esse post você vai ficar assim:


Por isso, não deixe seus amigos passarem vergonha! Compartilhe esse texto com todos eles!

Por: Lethycia Dias

Referências Bibliográficas:
MORAIS, Rubens Damasceno. Pronomes relativos e a coesão textual. Apostila utilizada na disciplina "Português: Redação e Expressão I", do primeiro período do curso de Jornalismo. Universidade Federal de Goiás.

4 Comentários

  1. Oi Lethycia, como vai, tudo bem?
    Eis aí uma verdadeira aula de português! Realmente esse tipo de postagem é de uma grande utilidade não só para nós, escritores, mas para todos os falantes da nossa tão maltratada língua portuguesa.
    E o mais legal de tudo é a forma escrita, bem leve, didática e com um toque de humor.
    E só para provar a veracidade da postagem, eu escrevi essa mensagem inteira sem usar nenhuma vez o "que"... rsrs.
    Mas claro, foi proposital, pois como você bem disse, ele cumpre funções importantes em um texto/discurso, só não exagerar.
    Grande abraço,
    Almir Albuquerque
    Panorâmica Social

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Almir!
      Eu gosto muito desses posts com dicas de Português, porque tenho facilidade com essas coisas, mas confesso que preciso pesquisar muito antes de escrever!
      O humor foi uma novidade, pois para esse tipo de post eu escrevia textos bem sérios. O motivo da mudança foi que notei a grande repercussão de alguns posts anteriores com objetivo humorístico.
      Legal ver você praticando! Eu não consegui evitar! kkkk

      Excluir
  2. Amei o post, principalmente os memes! Nunca fui muito fã de gramática não, mas reconheço a importância dela para a escrita. Você explica muito bem, melhor que qualquer apostila! Sério, não tenho dificuldade em escrever ou em usar a gramática, mas tenho em saber o porquê das regrinhas... Muito obrigada!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também sempre fui assim: escrevia bem, mas não sabia dizer quais eram as regras. Quando decidi fazer esses posts com dicas, acabei descobrindo que precisava pesquisar, para poder explicar melhor.
      Os memes foram uma ideia nova, para deixar divertido. Vejo que estão funcionando!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Entre em contato conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Veja quem me segue:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...